31 agosto 2014

Roda


Não se omita.
Se meta.
Cause rebuliço. 
Aconteça.
Seja.

Não fique em cima do muro.
Se comprometa.
Fale sobre o que pensa.
Discorra sobre o que é.
Não se esconda.
Não tema a rejeição, o "não".

Não iluda.
Não use burca.
Mostre a sua cara.
Despeje o que há em sua mente.

Minta ou omita.
Disfarce ou finja.
Só não ache que isso perdurá.
Quem é de mentira, há de rodar.

Erica Ferro


• • •
Nessa vibração reflexiva, findo o mês.
Em breve, postarei uma resenha sobre um livro que recebi de parceria com o Grupo Editorial Novo Conceito. O título é "Esconda-se", da escritora Lisa Gardner. Um ótimo livro policial. Também farei um post acerca das minhas mais recentes conquistas na natação. Para tanto, criarei uma nova tag para o blog. Ainda estou pensando no nome, mas adianto que será relacionada ao esporte.
Não deixem de curtir a fan page ou de seguir o Twitter do blog.
Um abraço da @ericona.
Hasta la vista!

01 agosto 2014

Broto


Just kids in LOVE /

Broto,

Broto. Quem usa essa expressão nos dias de hoje? Acho que sou um dos poucos seres que a usa. Na verdade, estava tentando contabilizar há quanto tempo meu coração bate mais forte quando te vejo. Se bem que eu não te vejo, no sentido exato da palavra. Não posso sentir o seu cheiro ou a sua temperatura corporal. Ainda assim, a sua imagem está em minha mente. O meu pensamento está em você. Não sempre, não a todo momento, mas sim quando a saudade aperta. Geralmente, em uns setenta por cento por dia. Provavelmente essa porcentagem esteja errada, nunca fui de exatas. Sou de humanas, acho que já te contei isso. Digo, porém, sem possibilidade de erro, que estou pensando em você boa parte do dia. Não que eu seja uma louca apaixonada ou uma criatura grudenta. É que eu gosto de pensar em você. Desnecessário dizer que adoro o seu olhar e o seu sorriso. Também não é necessário dizer que adoro a sua barba. Dizem que barba por fazer arranha o rosto. Eu, francamente, não me importaria em ter esses arranhões. Seriam arranhões de amor. Isso de arranhões de amor foi bem brega, hein?! Perdoe-me por isso, às vezes é inevitável ser brega. Todo mundo tem seus momentos bregas, acho. Não sou exceção nessa questão. 
O fato é que eu realmente estou gostando de você. Não sei bem como isso foi acontecer. Afinal, é como dizem por aí, não há muita explicação para o amor ou a paixão. Não há lógica que explique o ato de se apaixonar. E, sinceramente, se tivesse, dispensaria. Gosto desse mistério de não saber como me apaixonei por você. O mais grave, o mais chocante, o mais maluco de tudo é que acho que foi à primeira vista. Não faça essa cara de cético. Somos céticos em muitas coisas, mas acredite nisso que te digo. Não ache que estou confundindo as coisas. Vê-lo apenas uma vez foi o necessário para sentir a sua essência e enxergar o quão bacana você é. Longe do que os apaixonados pintam sobre os seus amados, desenhei os seus traços como de fato os percebi, sem idealizações, sem exageros. Admiro a sua inteligência e praticidade. Encanta-me o modo saber que partilhamos da mesma preocupação e da mesma revolta acerca de determinadas questões. Gosto mesmo dessa similaridade das nossas ideias e ideais. Adoro quando você deixa o seu lado bem-humorado emergir. No fundo, acho que você é tão gaiato quanto eu. Poderia listar muitas outras características que gosto em você. No entanto, não seria justo, porque eu gosto de você por inteiro.
Por conseguir ler a sua personalidade, por ter a possibilidade de te conhecer melhor a cada dia e por estar, de certa forma, junto com você nos seus melhores e piores momentos, o meu apreço por você cresce cada vez mais. E eu quero tanto te ver de novo. Quero sentir de novo o calor e o aconchego do seu abraço, de modo a tentar registrá-lo em alguma parte da minha alma ou do coração.
Não espero reciprocidade. Não fique preocupado comigo caso não sinta algo semelhante por mim. Só me dê a chance de poder ter você mais perto, sim? Só quero te abraçar e ficar perto de você algumas vezes mais. A vida é tão curta. Apenas me deixe te mostrar com gestos, abraços e beijos o que mora aqui em meu peito. Não denominarei amor ou paixão. É apreço. Muito apreço. Muito carinho. É encanto também. É poesia.
Deixe-me fazer rimas com as linhas das suas mãos. Deixe-me acarinhar os seus cabelos. Deixe-me deitar em seu peito e escutar as batidas do seu coração. Oops, o alerta brega apitou novamente. Mas... Peço muito? Simples. Suave. Assim é o que sinto por você.
Então, haverá um reencontro?

Erica Ferro

• • •
Curta a fan page do blog e o siga no Twitter.
(...)
Um abraço da @ericona.
Hasta!