31 dezembro 2014

2014 de Erica Ferro

Meu 2014!

Escolhi algumas fotos que representam bem meu 2014 e, ao fundo, coloquei It's my life, do meu querido Bon Jovi, que tanto gosto. 


Fazer retrospectiva é legal, eu gosto. Por mais que pareça modinha de fim de ano e todo mundo fazer, acho válido, porque é a hora que a gente para pra pensar e relembra de todos os bons e maus momentos do ano, com a finalidade de melhorarmos no que não deu muito certo e aperfeiçoarmos o que deu (e vem dando) certo. Então, por essa e outras razões, também farei a minha bela e emocionante retrospectiva.
Digo, com certeza, que 2014 está guardado em minha memória como um ano espetacular. Algo em mim dizia que seria assim, mas eu não tinha noção do quanto que seria um ano memorável. Treinei muito forte no final de 2013 e início de 2014, sem descanso, sem férias, com um claro objetivo: nadar bem no regional Norte/Nordeste de 2014. Nessa jornada de treinos e sonhos, entraram na minha vida duas pessoas muito especiais: Fabio Porchat e a sua mãe, Isabella Robinson. Eles me adotaram como atleta, custeando todas as minhas competições, a começar pelo regional Norte/Nordeste. Consegui 7 medalhas nesse regional, sendo 6 de ouro e 1 de prata. Escondi esse regional de 2014 numa parte muito importante do meu coração, pra recordar sempre de um dos momentos mais alegres da minha vida.
Depois do regional, recebi um convite muito especial: conhecer a Isabella, Fabio e família... E o Rio, claro! Um fim de semana incrível, ao lado de pessoas pra lá queridas, de bem com a vida e donas de corações enormes e lindos. Foi muito massa poder conhecer a Isabella pessoalmente, dar-lhe abraços apertados e agradecer por todo carinho e atenção para comigo. E o que dizer do Fabio? Um ser humano extremamente lindo, não apenas por fora, mas, sobretudo, por dentro. Assisti ao stand up Fora do Normal e, depois, pude conhecê-lo no camarim, abraçá-lo e dizer o máximo de palavras que o meu nervosismo me permitia dizer. Sim, eu tremi quando vi esse loiro alto, de sorriso largo e fácil. Tremi de emoção, de alegria e de admiração. Abracei-o, disse o quanto sou grata a ele por me auxiliar na construção dos meus sonhos e tirei algumas fotos, pra registrar o momento, que foi muito belo e feliz. No Rio, também outras pessoas muito bacanas, com as quais ri muito e conversei um bocado, entre elas: Alice e Vilma, duas criaturas de alma jovem e jubilosa. O Rio é lindo... e as pessoas de lá, ainda mais!
Participei de cinco competições ao longo desse ano: 1) Regional Norte/Nordeste; 2) Campeonato Alagoano de Inverno; 3) V Jogos Aquáticos do Ceará; I Aberto de Campinas/SP; 4) 3ª etapa nacional do Circuito Caixa; 5) VI Meeting Cearense. Foram 19 medalhas de ouro, 2 de prata e 2 de bronze. Não obtive os índices classificatórios para as nacionais na fase regional Norte/Nordeste, mas os consegui nos V Jogos Aquáticos do Ceará. Conquistei dois índices (50m livre e 100m costas), que me classificaram para a terceira e última fase nacional de 2014, competição organizada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro e patrocinado pela CAIXA. Das minhas pequenas grandes vitórias de 2014, destaco a minha felicidade em fechar 2014 como a terceira melhor dos 100m borboleta e a quinta melhor dos 100m costas a nível nacional.
No âmbito acadêmico, encerrei o biênio 2013/2014 do PIBIC. Durante um ano, li muito, produzi e adquiri conhecimento, tanto pra vida quanto pra minha carreira universitária. Já no campo pessoal, posso dizer que foi o ano mais fantástico de todos. Viajei várias vezes no ano, é verdade, mas foram viagens voltadas para competições, com pouco (ou nenhum) tempo para bancar a turista. Óbvio que, além de competir, sempre conheço pessoas legais. No entanto, a viagem que fiz ao Rio foi a primeira que fiz exclusivamente pra passear e conhecer pessoas e outros lugares. A segunda que fiz foi há pouco, para o Rio Grande do Sul. Há tempo que conheço uma criatura mandona (porém legal – juro!), chamada Ana Seerig e moradora de Caxias do Sul, serra gaúcha. Por meio dessa pessoa tresloucada e amante de cerveja, tive a alegria de conhecer outras pessoas incríveis, inclusive outros gaúchos. Então, para unir o útil ao agradável (pagar a minha dívida de visitá-la e conhecer os meus outros amigos gaúchos), descolei umas passagens rumo ao Rio Grande do Sul. Passei lindos dez dias por lá. Posso dizer que foram dez dos melhores dias de 2014. Conheci um pouco de Caxias do Sul, Sombrio/SC, Balneário Gaivota/SC, Torres/RS, Gramado/RS, Nova Petrópolis/RS e São Jorge da Mulada/RS. Passei por lugares lindos e conheci pessoas muito amáveis. Fui muito bem recebida em todos os lugares por quais passei. As pessoas de lá são atenciosas e adoram conversar. Apaixonei-me perdidamente por chimarrão e pelo Rio Grande como um todo. Voltarei, com certeza.
 Por fim, meus agradecimentos mais do que especiais a quem sonha comigo e me incentiva, direta ou indiretamente, a galgar degraus cada vez mais altos. Agradeço a ADEFAL, associação da qual faço parte, por disponibilizar e contribuir com o que pode para que eu possa permanecer na vida que eu escolhi, que é a de ser atleta paralímpica. Agradeço ao Diego Calado, meu técnico, meu grande amigo, que é uma pessoa incrível e faz milagre com o pouco que lhe é disponibilizado, alcançando, junto com a equipe, grandes patamares. Tenho um carinho e admiração enormes por esse cara. Acredito que, juntos, conquistaremos coisas ainda mais grandiosas em 2015. E, claro, meu MUITO obrigada aos meus apoiadores FORA DO NORMAL: Fabio Porchat e Isabella Robinson! Trabalharei com mais afinco para continuar honrando esse grande apoio que me dão. Quero dar ainda mais motivos para que continuem a se alegrar com as minhas conquistas em 2015! Na área acadêmica, agradeço aos amigos e aos professores pelo companheirismo e por vibrarem com cada conquista minha, seja na academia e/ou na vida esportiva, assim como me alegro em fazer parte da vida deles.
Meu agradecimento a você que me lê, que me acompanha e que faz parte do meu rol de queridos amigos blogueiros. Encontramo-nos em breve, aqui, nesse mesmo bat-canal (risos). Quero desejar um excelente 2015 a todos. Continuem acreditando em dias melhores. Continuem sonhando e trabalhando para que eles se tornem reais. Ainda que sejam/pareçam sonhos difíceis, quase impossíveis, não desistam: “Tentem outra vez!”. Quebrem paradigmas!
Obrigada, 2014, você foi maravilhoso e me proporcionou emoções incríveis e inesquecíveis. No entanto, eu sei que 2015 me reserva coisas ainda mais grandiosas. O que eu desejo pra mim, desejo pra vocês: saúde, paz, amor, coragem e um montão de momentos alegres e estupendos. Se forem dirigir, não bebam! Se forem beber, me chamem! (risos)
Um grande abraço da @ericona.

Feliz Ano Novo!

28 dezembro 2014

Filme: Memento / Amnésia


Título: Memento (Original) / Amnésia (Brasil)
Ano de produção: 2000
Direção: Christopher Nolan
Estreia mundial: 5 de Setembro de 2000
Estreia no Brasil: 31 de Agosto de 2001 Duração: 113 minutos
Classificação: 16 - Não recomendado para menores de 16 anos
Gênero: Mistério, suspense
País de origem: Estados Unidos
Sinopse: Após um assalto que resultou na morte de sua esposa e que o deixou em estado gravíssimo, Leonard Shelby (Guy Pearce) passa a sofrer de amnésia recente. Ele não consegue se lembrar de fatos que aconteceram há 15 minutos. Mesmo assim ele decide ir atrás do assassino de sua mulher e se vingar.



Memento, título original, ou Amnésia, título usado aqui no Brasil, é um filme norte-americano de 2000, dirigido por Christopher Nolan, e o seu roteiro é baseado no conto "Memento Mori", escrito por Jonathan Nolan, irmão do diretor da película. Quando me indicaram o filme, contaram da estrutura dele e me pediram pra vê-lo com muita atenção. Percebi o porquê quando comecei a ver o filme. A estória é contada de trás para frente. E é preciso praticamente grudar os olhos na tela e afiar os ouvidos para não deixar passar nenhum detalhe, porque tal detalhe pode fazer toda a diferença para o entendimento da estória, que é intrigante e bastante intricada. 




As cenas se alternam entre as em preto e branco, que são sequências em ordem cronológica, e as coloridas, que são sobre a investigação de Leonard Shelby, mas são mostradas na ordem inversa. Esse formato de contar uma estória gera uma confusão no espectador, ao mesmo tempo que consegue prendê-lo de uma forma quase mágica. Não se sabe o que culminou na cena que está sendo apresentada e, então, gruda-se os olhos na tela para saber o que vem a seguir, na esperança de que consiga explicar a cena que se passou (e explica!). É algo incrível, e diria até que genial.




Leonard Shelby (Guy Pearce), certa feita, acorda-se no meio da noite e sente falta da sua esposa ao lado cama, então vai procurá-la. Para o espanto e terror dele, a encontra sendo violentada e estrangulada no banheiro por um homem encapuzado. Leonard inicia um luta contra o bandido e acaba levando um grande golpe na cabeça pelo que parece ter sido dado por um segundo bandido. Leonard vê a sua esposa morrer e, ao mesmo tempo, adquire um problema sério: amnésia anterógrada, que, em síntese, é a incapacidade de memorizar fatos posteriores ao trauma. Leonard só consegue recordar da sua vida antes do incidente, mas não consegue gravar nada do que ocorreu e ocorre depois dele.
Os dizeres "Remember Sammy Jankis" estavam tatuados na mão esquerda de Leonard Shelby. 




Quem foi Sammy Jankis? Foi um dos casos investigados por Leonard enquanto investigador de seguros, atividade profissional exercida antes do acidente. Sammy Jankis e sua esposa sofreram um acidente de carro, que causou amnésia anterógrada em Sammy. A esposa de Sammy, vendo que as contas médicas se acumulavam e Sammy não melhorava, procurou o seguro. Leonard foi o encarregado a se certificar da veracidade do caso. Após testes que mostraram que Sammy não era mais capaz de memorizar, nem por instintos, novos acontecimentos, Leonard conclui que Sammy sofria de um problema mental, não físico, e o seguro não lhe cobriu a doença. Leonard acreditava que, se Sammy fosse tão organizado e metódico quanto ele próprio se tornou depois da amnésia anterógrada, teria conseguido absorver memórias novas, ao menos por meio de fotografias e anotações (aliás, Leonard registrava coisas até em forma de tatuagens, a fim de que não fossem apagadas ou perdidas).




Um dos personagens principais, depois de Leonard, é claro, chama-se Teddy Gammell (Joe Pantoliano). Ele se apresenta como amigo de Leonard, e auxilia Leonard em sua investigação, para que ele possa encontrar os homens que violentaram a sua esposa e, assim, possa vingá-la. Como Leonard não se recorda disso, não sabe se acredita nele; por essa razão, o espectador também não consegue confiar ou desconfiar totalmente de Teddy.




Confesso que alternei entre acreditar e desacreditar de Teddy. Ele me pareceu sacana desde o começo do filme, mas não de ser culpado de algum crime. No máximo, achei que ele tirava proveito de algumas situações.
Há também outra personagem muito importante na película: Natalie (Carrie-Anne Moss). Essa daí também me causou diversas impressões: sedutora, manipuladora e perigosa.




Na minha concepção, tanto Teddy quanto Natalie usavam o meu querido Leonard (sim, em alguns momentos quis abraçar Leonard e lhe dizer que iria ficar tudo bem - sou louca sim ou claro?).
A trama se desenrola de uma maneira rápida e cumpre bem o seu papel: bagunçar o cérebro do espectador, o fazendo cogitar mil e uma possibilidades não só para o início, desenrolar e o final do filme, como também explora de modo magistral o psicológico de seus personagens, em especial de Leonard Shelby. O roteiro é muito bem escrito, as tiradas dele são geniais e extremamente reflexivas. Foi um dos filmes mais inquietantes que eu já vi. A estória em si é pesada, mas se vê no filme elementos como o humor e a ironia, que conseguem quebrar um pouco a atmosfera carregada da trama.




Sobre os personagens: alternei entre gosto/desgosto em relação aos personagens Teddy e Natalie ao longo do filme. Quanto a Leonard, me encantei por ele desde o primeiro momento de filme. Forte, destemido e insaciável por justiça. Ainda que com suas limitações de memória, fazia o máximo para registrar o desenrolar de sua investigação. Compadeci-me de sua estória e me entristeci ao ver que a sua vida se resumia em uma busca frenética por vingança - o desejo por vingar o que fizeram à sua esposa era a única coisa que o mantinha vivo.
Concernente à trilha sonora: figuram David Bowie e Radiohead nela. Ou seja... É pra lá de ótima!




Fazendo um apanhado geral, é um filme espetacular e que eu adorei assistir. O final é muito surpreendente e desconcertante, diferente de tudo que eu imaginei e que suponho que os espectadores imaginam. Li alguns comentários em fóruns sobre o filme e uma parte que assistiu o filme não entendeu o final. Alguns, admitiram que não entenderam quase nada do filme. E aí é que está: não se pode ver um filme tão complexo quanto esse sem prestar bastante atenção em cada detalhe. Não é um filme que você assiste batendo papo com os amigos. É um filme que se assiste calado, vidrado na tela.




O final não é complicado de se entender, ao meu ver, e não é decepcionante. Na realidade, é questão de analisar toda a trama e interpretar, buscar o sentido de cada ato e visualizar tais atos como um todo que justifique a estória. Concluí que as minhas suspeitas de que Leonard estava sendo usado eram verdadeiras. À sua maneira, ele deu um jeito de acabar com esse abuso que vinha sofrendo. E, caramba, as tiradas do final do filme são fantásticas. Faz-nos pensar em muitas, mas muitas coisas sobre essa tresloucada vida.
Segundo a página referente ao filme no site Wikipédia, Memento foi, e é, um filme bastante aclamado pelos espectadores, pela crítica e até mesmo por médicos especialistas em amnésia anterógrada, que afirmaram que Memento foi o filme que melhor retratou esse tipo de problema de memória. Ganhou vários prêmios, inclusive indicações ao Oscar nas categorias de Melhor Roteiro Original (Christopher Nolan e Jonathan Nolan) e Melhor Edição (Dody Dorn).
A parceira dos irmãos Nolan é esplêndida e muito capaz de arrebatar a admiração dos que conhecem as suas obras. A mim, pelo menos, os Nolan conseguiram conquistar. Certamente, irei assistir a outros filmes dirigidos e escritos pelos Nolan.
Fica aqui a minha recomendação para quem gosta de filmes dramáticos, policiais e thrillers. É um baita filme! 

• • •

* As imagens foram extraídas do Google e não encontrei créditos nelas. 
Qualquer problema quanto a isso, é só enviar um e-mail
 para sacudindopalavras@live.com, solicitando os créditos. 

• • •
Curta o Sacudindo Palavras no Facebook e siga também no Twitter.
Um abraço da @ericona.
Hasta la vista!